Produção orgânica é tema de seminário estadual

O Programa Santa Clara Mais Saudável será case no seminário estadual de agroecologia que ocorre nesta sexta-feira, dia 29, no auditório do Centro Administrativo Fernando Ferrari, em Porto Alegre. Denominado de “Rio Grande Agroecológico”, o evento começa às 8h30min e se estende até as 16h. As inscrições são gratuitas.


Na oportunidade, o prefeito Paulo Kohlrausch será um dos palestrantes. Ele falará sobre a política pública voltada à produção orgânica implantada em Santa Clara do Sul em 2017. A experiência será compartilhada devido ao engajamento que tem alcançado na comunidade e por se tratar de um programa bem estruturado que conta com várias parcerias importantes que têm contribuído nesse processo de transição agroecológica dos agricultores locais.


O programa completa um ano de atividades justamente no dia do seminário. Hoje, 30 famílias participam da iniciativa municipal de produzir alimentos sem o uso de agrotóxicos.


Atualmente, 50% da alimentação consumida na rede municipal de ensino já tem origem orgânica. Também é feito o trabalho de certificação nas propriedades aderentes ao programa para que futuramente recebam o selo de produção agroecológica.


Uma das famílias que apostou na iniciativa é a de Rogério Stölben, da localidade de Sampaio, interior do município. Ele tem cerca de 6,7 mil mudas de morango plantadas em sua propriedade, cuja produção é totalmente orgânica. “Percebemos que valeu a pena investir na agroecologia. Desde que iniciamos a colheita dos morangos, a procura tem sido muito grande”, destaca o produtor.


O prefeito Paulo Kohlrausch salienta que o Santa Clara Mais Saudável visa construir uma cultura de consumo e produção de alimentos saudáveis no município. “Com produtos orgânicos, livres de agrotóxicos, o governo municipal promoverá saúde e qualidade de vida à população”. Outro objetivo é estimular a educação alimentar, fazendo com que as pessoas sejam mais exigentes ao comprarem alimentos. E o terceiro eixo é a sustentabilidade, tanto ambiental quanto econômica.


A partir de um setor primário forte, observa Kohlrausch, a administração municipal terá mais recursos para investir em melhorias à comunidade. “Trata-se, ainda, de uma opção de sucessão rural, pois o projeto oferecerá subsídios aos jovens ficarem no campo. E melhor de tudo, sem agredir a natureza”.


Programação do seminário


8h30min – Mesa de Abertura;


9h – Contextos da Construção da Agroecologia no Brasil - William Santos de Assis, engenheiro agrônomo, professor Dr. do Instituto Amazônico de Agriculturas Familiares – Universidade Federal do Pará (UFPA);


9h30min – Antecedentes à Política Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica – Agda Regina Yatsuda Ikuta, engenheira agrônoma, Drª - Secretaria Estadual do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR-RS);


9h45min – Apresentação Rio Grande Agroecológico: Resultados do 1º Biênio – Sabrina Milano Vaz, engenheira agrônoma - Secretaria Estadual do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR-RS);


10h25min – Debates;


11h – Relato de experiências de ações do Rio Grande Agroecológico (10 min):


1. Avaliação da Conformidade Orgânica: a construção do sistema participativo da Associação dos Produtores da Rede Agroecológica Metropolitana (RAMA) – Agricultora familiar Miriam Maria Beal Neves, vice-presidente da RAMA, Porto Alegre/RS;


2. Certificação agroflorestal e a comercialização de orgânicos – Agricultor Izaías Benck Becker, da Associação dos Colonos Ecologistas da Região de Torres (ACERT), Três Cachoeiras/RS;


3. Política Pública Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica: a experiência do Município de Santa Clara do Sul - Prefeito Paulo Cezar Kohlrausch;


4. Promoção do SISAN em parceria com os Territórios Rurais com ênfase na Agroecologia – Brizabel Rocha - Assessora do Projeto de Qualificação em SANS e Vulnerabilidade Social - UFRGS/PGDR/NESANS;


5. Juventude do campo e políticas públicas na perspectiva da agroecologia – jovens Juliano Lawisch e Bruno Valentin Etges, da Escola Família Agrícola Santa Cruz do Sul (EFASC).


11:50 – Debate;


12h10min – Almoço;


13h30min – Painel: Pesquisas que integram o Pleapo-RS – (Unipampa, Irga, IFRS, UFRGS, Embrapa Clima Temperado, Embrapa Uva e Vinho, UERGS, Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária – DDPA/Seapi);


14h30min – Visitação aos banners;


16h – Encerramento e café com produtos orgânicos.


Foto Rafael Simonis



Família Stölben plantou 6,7 mil mudas de morangos. Cultivo é feito de maneira orgânica





50 visualizações0 comentário