Escola completa um ano no Dia do Gaúcho

O atual cenário da Escola Municipal de Ensino Fundamental Professor Sereno Afonso Heisler, localizada no centro da cidade, contrasta com a situação vivenciada alguns anos atrás. O prédio abandonado depois que o colégio estadual se transferiu para a nova estrutura, na Rua Coronel José Diel, deu lugar a uma das obras mais importantes para a população santa-clarense.


Assim que a administração municipal concretizou a compra da área de 1,2 mil metros quadrados pertencente à Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (CNEC), iniciou-se um processo de reformulação para transformar o local em mais um ponto de difusão da cultura e do saber no município. Em vez de vândalos com o objetivo único de depredar a estrutura, hoje o colégio recebe 153 crianças do pré-escolar ao 3º ano dispostas a estudar e ter um futuro promissor.


Neste domingo, em consonância com os festejos farroupilhas, a Escola Professor Sereno Afonso Heisler completa o primeiro ano de fundação. E são muitos os motivos para comemorar. O principal deles, o de oferecer educação em turno integral. “Desde a inauguração, realizada em 20 de setembro do ano passado, foram muitos avanços. Uma construção gradativa, numa parceria com os pais e a comunidade, que fortalece o vínculo escolar”, enfatiza o secretário da Educação, Cultura e Desporto, Gilmar Hermes.


Hermes propõe um projeto educacional inovador e renovador. Conforme ele, a intenção é criar um colégio diferenciado a partir do trabalho com projetos, uma vez que a Secretaria da Educação atua desde 2009 com essa metodologia. “Como bem apregoava Paulo Freire: todos aprendem com todos, num processo constante de interações”, observa o secretário, que agradece a todos que têm se envolvido no melhoramento da escola.


Em meio a uma estrutura totalmente reformada, os alunos enaltecem as condições pedagógicas oferecidas no colégio. Gabriel Bremm Johann, 7 anos, é um dos estudantes mais entusiasmados com a possibilidade de estudar numa escola que oferece turno integral. Assim, além da aula normal na parte da manhã, ele permanece no colégio à tarde para participar de atividades esportivas, lúdicas e pedagógicas. “Gosto de fazer tarefas de artes, reler livrinhos, jogar futebol e brincar com os amigos”, salienta o aluno do 2º ano.


Outro estudante que fica na escola no turno inverso ao escolar é João Pedro Wergutz, 9 anos. Enquanto os pais trabalham, ele aproveita para se divertir com os amigos e ampliar os seus conhecimentos em um espaço seguro. Entre as atividades preferidas estão as tarefas relacionadas à Matemática e confecção de fantoches. João também ressalta os novos brinquedos instalados no pátio interno do colégio. A estrutura conta com um playground, um gira-gira, um escorregador e um labirinto trepa-trepa. Tudo em prol do bem-estar dos alunos.


Avanços em parceria com os pais


De acordo com o presidente da Associação de Pais e Mestres (APM), Liceu Mohr, a família é fundamental na educação das crianças. Ele acredita que os pais valorizam muito mais o local onde seus filhos estudam quando participam efetivamente da sua construção estrutural e pedagógica. “A nossa associação conseguiu várias melhorias ao colégio, entre elas a instalação de brinquedos”. Pai da aluna Ingrid, 5 anos, que estuda no pré, ele destaca a possibilidade das famílias poderem ajudar na criação de um ambiente escolar de qualidade.


A diretora Analéia Corbellini menciona que o processo evolutivo depende de um diálogo aberto com os pais, que devem se sentir à vontade em conversar com a direção e professores visando à busca por melhorias no sistema educacional. “Acho que precisa haver uma sintonia entre secretaria, professores, pais e alunos”. Ela ainda cita a relevância do turno integral para evitar que as crianças fiquem ociosas no período extracurricular.


“Oferecemos oficina de arte, hora do conto, resgate das cantigas, dança, futebol, vôlei, música, jogos pedagógicos e outras atividades que integram os alunos no contraturno escolar”.


Investimento no prédio


Segundo o prefeito Fabiano Immich, a reforma do antigo colégio estadual, que se transformaria na Escola Municipal Professor Sereno Afonso Heisler, é uma das obras mais significativas do atual governo. “Afinal, ela beneficia de forma direta às nossas crianças, que são o futuro da cidade. Nada é mais importante do que investir nas pessoas”.


Immich recorda a luta do município para conseguir comprar a estrutura que pertencia à CNEC. “Mas todo o esforço valeu a pena. Hoje, temos uma escola-modelo na região que mantém as características estruturais da época em que foi construída, de forma voluntária, por moradores locais”. Ainda enaltece o fato dos pais terem um local seguro para deixarem seus filhos enquanto trabalham. “Educação é uma das prioridades do nosso governo”.


O investimento do Executivo na obra superou a cifra de R$ 1,4 milhão, desde a compra do imóvel até a reestruturação de todo o prédio e a aquisição do mobiliário. Em outubro de 2014, o colégio começou a atender crianças de quatro a seis anos transferidas da creche municipal. Em 23 de fevereiro deste ano, a escola também passou a oferecer Ensino Fundamental até o 3º ano. E em 2016, a intenção é ampliar as aulas até o 4º ano. Hoje, o educandário possui dez professores e cinco funcionários que atendem 153 estudantes.


Fotos Rafael Simonis



Administração municipal investiu mais de R$ 1,4 milhão para comprar o imóvel, reformar todo o prédio e adquirir o mobiliário

Alunos comemoram o primeiro ano de fundação do colégio nos brinquedos instalados recentemente no pátio escolar

15 visualizações0 comentário